As rosas
Quando à noite desfolho e trinco as rosas
É como se prendesse entre os meus dentes
Todo o luar das noites transparentes,
Todo o fulgor das tardes luminosas,
O vento bailador das Primaveras,
A doçura amarga dos poentes,
E a exaltação de todas as esperas.

Sophia de Mello Breyner Andresen
“Dia do Mar” (1º ed. Ática 1947, incluído no vol. I da “Obra Poética”, ed. Caminho)

Share:

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Solve : *
24 ⁄ 12 =


Secured By miniOrange