Mudanças – a minha verdade  sobre o digital

Hoje trago-vos um post/artigo diferente do que estão habituados…

Quem me acompanha nas redes sociais, deu-se com certeza conta que tive uma grande transformação na minha vida… A perda da minha mãe fez morrer um bocado muito grande dentro de mim.

Sofro todos os dias como uma condenada mas, como os gajos lá de cima ainda não me querem por lá, resta-me continuar.

experiência

A caminho dos onze anos a escrever para o blogue, revistas, a usar as redes sociais, fazer fotos, vídeos, idas à televisão (ah pois!), resolvi partilhar convosco a minha verdade, a minha experiência sobre esta “coisa” do digital…

Não sei se sou uma blogger (já achei que sim), uma influencer, criadora de conteúdos ou alguém que anda para aqui a mandar umas bocas…

Escrevo: escrevo sobre beleza, moda, restaurantes, estados de alma e tudo o que me apetece no momento; não sigo regras de público alvo dados pelos gurus do marketing… Apareço em vários lados, para além do meu blogue, onde aceitem os meus escritos.

Já pensei em parar de vez mas, por qualquer motivo, acabei sempre por levar isto para a frente.

A relação com as marcas

Nunca vivi do blogue (cheguei a achar que era giro mas, tenho um chefe que tem lá o seu feitio mas um coração do tamanho do mundo: além de me pagar, proporciona um ambiente de respeito onde me sinto muito bem) mas sim fiz posts remunerados, recebo muitos gifts, convites para hotéis, restaurantes, experiências fantásticas variadas…

No entanto, cheguei à conclusão que não preciso dizer bem de um produto só porque mo oferecem ou me fazem uma operação de charme fantástica…

Se me mandarem um perfume cheio de ananases com uma bolsa de praia gira que se farta de brinde isso, e/ou qualquer pagamento, não será o suficiente para eu dizer que a minha vida não fará mais sentido sem o dito cujo…. Claro que não vou dizer que não gosto de ser presenteada, que sou a mulher de gelo e tanto me faz. Derreto-me com um press kit fofinho…

Já o disse, de maneira leviana, copiando os jeitos e tiques das mais experientes e como tanta gente do digital que diz que, se não mergulhar no creme X ou se não comer o Y, a vida deixa de fazer sentido….

E disto se alimenta o marketing. As empresas pagam verdadeiras fortunas a bloggersyoutuberstiktokers cheias de truques e que fazem verdadeira magia nos seus canais (dá muito trabalho, atenção!) Isto para não falar das “celebridades”, porque vai toda a gente a correr comprar se ele(a) usar o creme ou a tinta Y… Ressalvo, ainda assim, que há muito trabalho bem feito!!

Faço um mea culpa, também tenho as minhas fraquezas e já dei por mim a pagar pequenas fortunas, só porque, e sendo por exemplo fã da Agatha Christie, carimbaram a frase de uma das personagens numa caneca ou num tote bag (hum? não é um saco qualquer!).

Vocês podem muito bem pensar: “Mas quem é esta criatura e quem ela pensa que é para vir criticar, está mas é cheia de inveja…”.

Verdade que ao longo dos anos já me apeteceu exterminar umas quantas “concorrentes” ou agências (chegei a visualizar mentalmete mas, não resulta)…. Mas a coisa acaba por passar.

Não querendo alongar-me, porque senão ninguém lê “isto”, o que vos quero dizer é: vou continuar a trabalhar com digital mas, se eu vos disser que a “porra” do Chá da Tea Shop é  maravilhoso ou as bolachas do Subway são deliciosas, é porque são realmente: Eu assim acho! Mas habituem-se a formar opiniões próprias, afinal não somos todos iguais. São opiniões/sugestões.

Aprendam a diferença entre divulgação e estar a dizer que o produto X é divino e que encontramos o sentido da vida ali.

Nada contra quem o faz e pague as suas contas com isso. Cada um desenrasca-se como pode. A vida não está fácil para ninguém.

Se uma determinada marca não tiver a gentileza de me facultar o produto x ou y e eu realmente queira testá-lo, posso sempre dar-me ao luxo de o comprar (não digo sempre, haja dinheiro e paciência) e dizer o que bem entendo. Pode até correr bem, não é porque a dona da agência embirra comigo (isto é Portugal dos compadrios), porque não sou amiga da pessoa x, ou porque não me submeto a ficar meio desnudada para fazer apologia a um shampoo, que não quer dizer que eu não goste do produto ou de restaurante, seja ele qual que for…

Pode também dar-se o caso de uma agência que me trata muito bem e com pessoas amorosas (porque felizmente ainda existem) me mandar uma coisa e eu não gostar…. Aí, o máximo que podem conseguir de mim é quem não mostre o produto, não fale da experiência mas, mais do que isso, é complicado (podem sempre tentar…) Além do mais há gostos para tudo! Só vos posso dar a minha opinião.

Em tudo o que vier assinado por mim garanto-vos transparência e sinceridade. Volto a repetir que somos todos diferentes.

Um dia, se quiserem muito, posso contar, ou não, mais experiências das minhas vivências digitais.

Por agora, fico por aqui, e percebam que quando se passa por um grande sofrimento, no meu caso a maior da minha vida, há coisas que deixam de fazer sentido e o medo de não dizer o que se pensa para não melindrar alguém também quase desaparece. Ser fiel a si próprio passa a ser mais importante  que qualquer presente…

 

Cuidem de vocês e de quem amam,

Um beijinho

Teresa

0 comentários
Artigo Anterior: Positive vibes by Gato PretoNext post: O MARAVILHOSO MUNDO DO ALCOOL GEL

Artigos Relacionados

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Teresa Celestino

"Sem elegância no coração, não há elegância." Yves Saint Laurent
Ler mais


Mais Dicas?

Mais Dicas?

Mais Dicas?